Solidão I


Descobri uma amiga desconhecida,
Em minhas entranhas escondida.
Eu, vil, a supus minha inimiga
E a quis afastar de minha vida.

Não enxergava que a sua amizade,
Com pura e real lealdade,
Oferecida aos autênticos artistas
Faz-lhes honrados pela sua visita.

Através dela, encontro a mim mesma,
Permite-me contemplar a Beleza
E mergulhar em mim e fazer do meu tormento
A semente que dá vida a um monumento.

E me faz capaz de descobrir
O que mais de Belo pode existir.
Estende-me a mão e faz-me elevar
Ao que é meu verdadeiro lugar.

Pobre sou, se não aceito com nobreza
Sua companhia, digna da realeza.
Minha querida e amada solidão
Que ninguém a tire do meu coração.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: