Uma noite: Francis e Estélio

Estélio: Boa noite senhorita Francis. Está um noite agradável, não acha?

Francis: Como todas as noites meu querido amigo Estélio, mas esta sem dúvidas está com algo especial. Sinto algo diferente, uma atmosfera cálida que me leva a refletir sobre se as noites são sempre as mesmas como eu supus a pouco ou se são meus olhos que estando apenas olhando, não veem o que o senhor em inúmeras vezes parece ver.

Estélio: Oras minha amiga, tenho olhos tão iguais aos seus. Vejo as noites sempre iguais. Nelas o céu parece ser maior que o dia porque como haveriam de caber tantas estrelas se assim não o fosse? E lua é a rainha que brinda o reino da escuridão. Essa é inconstante e muda de tempos em tempos, mas percebeu como nunca deixa de ser bela e majestosa? Sinto-me as vezes envergonhado de tamanha beleza. O belo quando se mostra em excesso nos faz sentir meio que desconfortáveis quando deveria nos fazer venerá-lo.

Francis: Percebes o que digo? Não vês tudo com olhos comuns. Talvez seja porque seus olhos são a única porta através do qual percebe tudo, ache que todos sentem o mesmo. Mas não coloca nada de especial em nada. Parece-me que vês o que há de especial em cada coisa e que não tenho olhos iguais aos seus. E isso me faz por vezes sentir este desconforto do qual fala. Sim, não que não goste de sua companhia, pelo contrário, aprecio-a… Mas queria poder ver o mundo assim como tu vês… É a vergonha senhor Estélio que me faz sentir assim.

Estélio: Vergonha… Mas do que poderia se envergonhar? Se mais nobre dama não conheço. Sempre tão cortês e com um olhar verdadeiramente sincero. Sinceridade faz falta no mundo de hoje. As pessoas falam como se estivessem em cima de um palco atuando e esperando receber aplausos ao final da peça. Não escutam verdadeiramente o que estão a dizer, pois no fundo nada lhe interessam e fingem estar entretidas, como num breve intervalo, esperando um novo espetáculo no qual ela acha protagonizar. E assim, o tempo passa e quando se dão conta, deixaram de aproveitar o mais importante, o de simplesmente assistir a grande peça que é vida, onde no fundo todos somos atores, mas sem dúvida alguma, espectadores. E a senhora é, nisso, ambas .

Francis: Fico feliz que assim me veja, mais uma vez creio ser o seu modo de vê-lo que o deixa assim. A vergonha que falo é de ter medo de ser diferente do que as pessoas esperam que eu seja e atender ao que eles esperam que eu pense, fale, sinta e faça.

Estélio: Mas a senhora acredita que as coisas são como são ou que tudo o é a partir do ponto de vista de alguém? Tudo o que pensamos e achamos é algo que realmente o fazemos ou não veio pré-determinado das percepções de outrem? Não me preocupo em pensar demasiado como as coisas são, mas sim, percebê-las através dos meus olhos, como a senhora falou tão bem… É só o que tenho. E sim, que maravilha isto! Cada um tem sua própria janela através do qual vê tudo e com seu próprio modo de ver. E podemos conversar sobre isso e que infinitas possiblidades existem. Milhares de histórias surgem, com a criatividade própria de cada um.  Como seria entediante se víssemos todos da mesma forma, não acha?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: