Arquivo da categoria: Amor

Antítese

Sua prisão nos liberta
Revela nossas fraquezas, tornando-nos mais fortes
Promove guerras e encontra a paz
Causa medo e nos dá esperança
E na separação é que o nos une
Motivo do pranto e do sorrir
Perfura quando humilhado e faz flutuar quando nobre
Tem fim e é inifinito
O que mais faz  falta e o que mais transborda
O Amor é antítese na sua síntese

Anúncios

“Cuidado rapaziada,
tenham atenção a esse nó
que acontece no estômago
no preciso momento em que
esperam por vosso amante
na pracinha junto à igreja.
Ou é úlcera ou é amor.”

Cântico VI

Tu tens um medo:
Acabar.
Não vês que acaba todo o dia.
Que morres no amor.
Na tristeza.
Na dúvida.
No desejo.
Que te renovas todo o dia.
No amor.
Na tristeza.
Na dúvida.
No desejo.
Que és sempre outro.
Que és sempre o mesmo.
Que morrerás por idades imensas.
Até não teres medo de morrer.

E então serás eterno.

Cecília Meireles

Histórias (nunca) esquecidas

images (36)

Já se passou muito tempo. Nossa história ficou esquecida em algum livro de romance perdido na prateleira de uma casa abandonada. Já não somos mais os mesmos que trocaram olhares inocentes durante o soar de um violão numa noite de domingo. Só não sabíamos que aquela noite iria fazer que nunca mais fôssemos os mesmos. Estava escrito o fim de nossa história antes que a pena tocasse o papel, mas a tinta parece não ser suficiente para extinguir o sentimento que surgiu. Foi uma autêntica história de amor, enquadraria-a no gênero tragédia, como as grandes histórias tem que ser. Sinto-me outra, entretanto acredito que  habitamos uma dimensão paralela onde repetidamente vivemos aqueles dias, os dias mais felizes, intensos e profundos que já vivi. Não guardo mágoa, rancor, raiva, nenhum sentimento capaz de profanar tudo o que vivemos. E se o final não foi feliz, rasgo essa folha e fico a ler esse livro de páginas amareladas, esperando que um dia as palavras se apaguem. E se eu vir a ir embora desse mundo antes disso acontecer, leia-as para mim enquanto olhar as estrelas, que estarei ouvindo a sua voz…

Conversa de Fim de Tarde depois de três anos no exílio

cafe

Os garçons empilhando as cadeiras
você me olhando e me pedindo que
fale Por Favor Fale Mas Não Escreva
eu evitando o toque ruim dos ponteiros
do relógio que anuncia a já famosa fuga
de nossos corpos cada um para sua
ponta da cidade -se nosso amor fosse
revólver eu seria o cabo e você a mira
tal como dizia a professora Sofia Jones
é terrível a existência de duas retas
paralelas porque elas nunca se cruzam
e elas apenas se encontram no infinito
a verdade é que nunca nos interessou
a questão do infinito mas o resto
das ideias matemáticas claro que sim
eu na verdade prefiro mais de mil vezes
sua chávena de chá ficando fria sobre a mesa
enquanto você fala sobre raízes quadradas
enquanto você fala sobre ladrões de figos
enquanto você fala sobre o tropeço da baleia
subitamente eu já nem sei sobre o que você fala
porque a forma como seu dente incisivo corta
e suspende toda a beleza da cafeteria
faz com que eu novamente entenda que
pelo sétimo dia é chegada a hora do cuco
e do canto do cuco
portanto eu pego minha bicicleta
e como de costume você faz meu retrato
de cabelo todo desenhado no vento
em jeito de menino que está sempre indo embora
à mesma hora e que amanhã se tudo der certo
voltará à mesma hora para o mesmo amor
a mesma mesa a mesma explosão
com toda a certeza a mesma fuga
porque você e eu a gente é feito de matéria
escorregadia, i.e., manteiga, azeite, geleia
e espanto.

Bailarina

ng2147407
Se ele encontra adormecido meu peito
Seu som ecoa num latejante pulsar,
Pois é de música que ele é feito
E cobra-me para ele com dançar.

Esse bailado faz meu corpo tremer,
Expira suor, intenso como uma cachoeira
Minha mão se estende sobre seu ser
E ele me fere… É a sua maneira.

E nessa dança sangrenta me enlaço,
Inerte sou levada por seu braço.
Se é carne a matéria que me forma,
É da sua essência que meu ser conforma.

Se quero que parem a Música? Jamais!
Ancorado fique o amor eternamente em meu cais.

Tristão e Isolda

Tristão&Isolda_

A mais bela história de Amor, um amor que venceu a morte!

Isolda: “Sabei que vos Amo Tristão. Para onde quer que vades, o que quer que vejais, eu estarei convosco.”
Tristão: “Tinheis razão Isolda … não sei se a Vida é melhor do que a morte, mas o Amor foi mais do que ambas…”

“… conta a Lenda que Isolda enterrou Tristão sob as ruinas Romanas e plantou na sua sepultura dois salgueiros que cresceram para sempre entrelaçados, depois desapareceu! Há quem diga que morreu de Amor.”

A Proibição

Tem cuidado ao amar-me.
Pelo menos, lembra-te que to proibi.
Não que restaure o meu pródigo desperdício
De alento e sangue, com teus suspiros e lágrimas,
Tornando-me para ti o que foste para mim,
Mas tão grande prazer desgasta a nossa vida duma vez.
Para evitar que teu amor por minha morte seja frustrado,
Se me amas, tem cuidado ao amar-me.

Tem cuidado ao odiar-me,
E com os excessos do triunfo na vitória,
Ou tornar-me-ei o meu próprio executor,
E do ódio com igual ódio me vingarei.
Mas tu perderás a pose do conquistador,
Se eu, a tua conquista, perecer pelo teu ódio:
Então, para evitar que, reduzido a nada, eu te diminua,
Se tu me odeias, tem cuidado ao odiar-me.

Contudo, ama-me e odeia-me também.
Assim os extremos não farão o trabalho um do outro:
Ama-me, para que possa morrer do modo mais doce;
Odeia-me, pois teu amor é excessivo para mim;
Ou deixa que ambos, eles e não eu, se corrompam
Para que, vivo, eu seja teu palco e não teu triunfo.
Então, para que o teu amor, ódio, e a mim, não destruas,
Oh, deixa-me viver, mas ama-me e odeia-me também.

John Donne, in “Poemas Eróticos”
Tradução de Helena Barbas

tumblr_lwkvijW01o1qd7s0no1_400

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em mim também, que descuidado vistes,
Encantado e aumentando o próprio encanto,
Tereis notado que outras cousas canto
Muito diversas das que outrora ouvistes.

Mas amastes, sem dúvida… Portanto,
Meditais nas tristezas que sentistes:
Que eu, por mim, não conheço cousas tristes,
Que mais aflijam, que torturem tanto.

Quem ama inventa as penas em que vive:
E, em lugar de acalmar as penas, antes
Busca novo pesar com que as avive.

Pois sabei que é por isso que assim ando:
Que é dos loucos somente e dos amantes
Na maior alegria andar chorando.

Olavo Bilac

Não canse o cego Amor de me guiar

olhos vendados .

Pois meus olhos não cansam de chorar
Tristezas não cansadas de cansar-me;
Pois não se abranda o fogo em que abrasar-me
Pôde quem eu jamais pude abrandar;

Não canse o cego Amor de me guiar
Donde nunca de lá possa tornar-me;
Nem deixe o mundo todo de escutar-me,
Enquanto a fraca voz me não deixar.

E se em montes, se em prados, e se em vales
Piedade mora alguma, algum amor
Em feras, plantas, aves, pedras, águas;

Ouçam a longa história de meus males,
E curem sua dor com minha dor;
Que grandes mágoas podem curar mágoas.

Luís Vaz de Camões